Um tesouro secreto no Brasil...

21.01.2020

Tudo começou em 1981 quando a fazenda de 1.400 hectares foi adquirida já com foco na preservação ambiental. Trinta anos se passaram até as portas serem abertas ao público. Nesse meio tempo novas terras foram sendo adquiridas no entorno e incorporadas a propriedade. Hoje a área preservada da Reserva do Ibitipoca, já passa de 3.000 hectares. É bem maior do que o Parque Estadual de Ibitipoca e inclusive faz um anel ao redor do parque. É mais do que um hotel, é um projeto consciente de proteção do ecossistema da região que conta com o envolvimento da comunidade local. Equilibra com harmonia a simplicidade rural, o cuidado com a natureza e a sofisticação de um casarão colonial do século XVIII restaurado com respeito e visão de sustentabilidade.

A Reserva do Ibitipoca ocupa uma área montanhosa verde imensa que tem como ponto central a sede onde ficam o antigo casarão com 8 suítes, cozinha e sauna; a Casa do Carlinhos com 3 apartamentos muito exclusivos; o paiol que foi divinamente transformado em spa; o areal das jabuticabeiras onde é servido o café da manhã aos domingos; as baias dos cavalos; a horta orgânica, e uma cachoeira com espreguiçadeiras onde é servido o almoço alguns dias da semana, no fogão a lenha.

Ibitipoca fica a 279 quilômetros do Rio, 260 de Belo Horizonte e 90 de Juiz de Fora, onde fica o aeroporto mais próximo. Do Rio são aproximadamente 4 horas de carro, tendo 20 quilômetros com estrada de terra. A Reserva do Ibitipoca é um lugar idílico que merece pelo menos quatro dias em meio a um reduto de paz, sofisticação e natureza exuberante. Tem os selos Sul Hotels e Condé Nast Johansens. 

 

Um tesouro secreto no Brasil...

Os hóspedes podem desfrutar de dezenas de cachoeiras e piscinas naturais de água limpíssimas em tons que variam do amarelo ao marrom, com o acompanhamento de um guia e estrutura fantástica, cheia de mimos. Há muitas trilhas que podem ser feitas a pé, a cavalo, de bike ou em carro 4 x4. Elas levam a mirantes lindos como o da Pedra do Gavião, a 1.500 metros de altitude. Um lugar imperdível para reverenciar o pôr do sol tendo todo o Parque Estadual na sua frente.

O mais interessante é que sua estadia é totalmente personalizada de acordo com seus interesses. Você define onde quer ir, como quer ir, com quem e em qual horário. A equipe do hotel é extremamente disponível e gentil.

Imperdível também,  fazer a trilha da Pedra do Tatu que leva às esculturas de sucata industrial, de Karen Cusolito. Elas transbordam energia em posturas de reverência, oração, alegria, humildade, iluminação, arrebatamento e paz. Os gigantes de ferro são um ícone da Reserva do Ibitipoca. Algumas chegam a ter 12 metros de altura e mais de 6 toneladas. Foram criadas pela artista para o Festival Burning Man, em Nevada e dos Estados Unidos vieram para o Brasil numa verdadeira epopeia.

Esse não é um lugar qualquer. Estamos falando de um lugar repleto de cultura, histórias e uma natureza belíssima que por si só torna o lugar muito especial. Vale a pena!

Para mais informações: +55 32 3281 8174

ibiti.com/

3 dias na Chapada dos Veadeiros

06.11.2019

Dia 15 de novembro está chegando para quem ainda não se programou para o feriado, agora é a hora. Como adoramos dar dicas de programas legais, preparamos um roteiro básico de um dos lugares mais lindos no Brasil, para ser desbravado. Perfeito para quem ama natureza, cachoeiras, caminhadas. E melhor, fazer tudo isso sendo feito ao redor de paisagens lindas. 

3 dias na Chapada dos Veadeiros

Como Chegar à Chapada dos Veadeiros

O aeroporto mais próximo da Chapada dos Veadeiros é o de Brasília, que fica a 223 km de distância. Chegando lá você precisará alugar um carro para ir à Chapada.  A primeira coisa que você precisa definir é qual será a sua cidade base para conhecer a Chapada. As cidades mais escolhidas para uma boa estadia na Chapada são Alto Paraíso, São Jorge e Cavalcante.

No primeiro dia,  indicamos sair de Brasília bem cedo com destino a Cavalcante, o local mais distante, para conhecer a  Cachoeira Santa Bárbara. São 120 km necessários até a Cachoeira e depois voltar para Alto Paraíso, assim já esta mais próximo de Brasília. Venha conferir um pouco das dicas e roteiro que montamos para auxiliar vocês. 

1º dia: Cachoeira Santa Bárbara + Cachoeira Capivara

O primeiro dia de viagem, foi reservado para ir para a cidade de Cavalcante, pois nela está localizada uma das cachoeiras mais famosas da Chapada: a Cachoeira Santa Bárbara. A cor de sua água deixa todos os visitantes completamente apaixonados. Um tom único na região que é originado pelo material calcário do fundo. Chegando em Cavalcante, vai ter que andar mais 30 km em estrada de terra até chegar ao quilombo dos Kalungas, onde está a cachoeira.

Para visita-la é preciso pagar uma taxa de visitação e contratar um guia local que cuida da sua segurança e da natureza. Se você estiver sozinho pode contratar um guia no Centro de Atendimento (CAT) de Cavalcante ou no CAT de Engenho II. Para fazer as 3 cachoeiras da região (Santa Bárbara, Capivara e Candaru),Tem dois momentos de fila: para comprar o ingresso e depois para entrar (só entram de 50 em 50 pessoas). Perto do local onde aguarda a entrada tem uma prainha de rio chamada “Prainha da Capivara”. Vale a pena conhecer e esperar por ali. Quando a entrada for liberada ainda tem 1 km de trilha leve a pé. Vai valer a pena a espera e a caminhada. 

Aproveitando o dia por Cavalcante, após curtir Santa Bárbara, vale ir até a Cachoeira Capivara. A trilha para a Cachoeira Capivara é de 800 metros, porém de dificuldade média. Nessa cachoeira você pode ficar o tempo que quiser. A dica é saír de la com destino a comunidade Comunidade Kalunga para almoçar. Lá existem alguns restaurantes O seu guia já deixa reservado no início do passeio.

2º dia: Cachoeiras Almécegas I, Almécegas II e São Bento

O segundo dia pode ser reservado para conhecer 3 belíssimas cachoeiras de Alto Paraíso. E uma dica super especial é que elas ficam localizadas na Fazenda São Bento e pode ser visitada mesmo para quem não está hospedada na Fazenda São Bento. 

A mais distante é a Cachoeira Almécegas II, vale a pena começar por ela. Aproximadamente 3 km de carro e depois uma caminhada leve de 500 metros. Chegar nela é super tranquilo. Em seguida, a Cachoeira Almécegas I, a mais linda das três. A trilha para chegar até ela é considerada média, com um trajeto de aproximadamente 1,5 km, vale super a pena. A Cachoeira São Bento, tem trilha bem leve e curta e geralmente fica mais cheia.  Depois vale a pena jantar em Alto Paraíso na Vendinha 1961, um restaurante super tradicional na cidade. É uma gracinha, com velas em todas as mesas e música ao vivo.

3º dia: Vale da Lua + Cachoeira dos Cristais

No terceiro dia, é imprescendível conhecer outro lugar super famoso: o Vale da Lua. Ele fica bem pertinho de São Jorge e é um dos destinos mais procurados na região. O nome vem claro da aparência semelhante às crateras lunares, que lá formam piscinas naturais entre grutas e fendas. O local foi formado há mais de 600 milhões de anos atrás, esculpido pelas águas transparentes do Rio São Miguel. É um dos lugares mais visitados da Chapada dos Veadeiros com várias piscinas naturais onde os visitantes podem se refrescar. Para chegar lá, é necessário fazer uma trilha fácil, de aprox. 600 m de caminhada. É uma propriedade privada, portanto cobra-se entrada. 

Após, vale a pena conhecer a Cachoeira dos Cristais em Alto Paraíso. Para quem gosta de lugares com estrutura, esta é uma boa pedida. A trilha da Cachoeira dos Cristais é de grau médio, porém tem uma vantagem: ao longo da trilha existem várias cachoeiras. Você pode escolher algumas delas, tomar um banho, descansar e continuar a trilha para então retornar a pousada e finalizar o roteiro. 

Dicas para uma viagem à Chapada dos Veadeiros

  • Leve água mineral – você precisará pelo menos de 1 litro para cada trilha. 
  • Não se esqueça de óculos escuro, filtro solar e boné. 
  • Leve um relaxante muscular que você tenha costume de usar, pois poderá precisar. 
  • Passe no Centro de Apoio ao Turista e pegue o mapa contendo as principais cachoeiras da região.
  • Leve um saco para voltar com seu lixo, a natureza agradece. 
  • Aproveite, divirta-se e tire muitas fotos!!!

Esperamos que tenham gostado e pra quem ainda não se organizou para o feriado, fica a nossa dia de um roteiro de 3 dias para esse lugar com uam energia tão especial. 

Destinos imperdíveis para curtir as férias...

03.07.2019

O período de férias esta chegando e para aqueles atrasadinhos de plantão, pegamos algumas diquinhas com a super expert em viagens, Flavia Pires, para vocês curtirem essa época do ano da melhor maneira possível.

Vem com a gente conferir!

Destinos imperdíveis para curtir as férias...

Caraíva:  para chegar é através do aeroporto de porto seguro e de la pega-se um transfer para Caraíva. Chegando lá, você pega uma das canoas e atravessa o rio, coisa de 5 minutos. O trajeto dura certa de 3 horas. É o lugar perfeito, entre o rio e o mar, para quem quer relaxar, curtir a natureza e não tem frescuras.  Faz-se tudo a pé, barco ou charrete tornando ainda mais único o astral do lugar.

Para quem for, vale a pena ficar na Pousada da Barra, super bem localizada e fazer os passeios para Ponta do Corumbau e Satu.

Quem estiver la, não pode deixar de ir nos points que são:

Boteco do Pará, com seu famoso pastel de arraia; Bar da Praia, e seus deliciosos drinks e curtir o final da tarde; Bar do Porto para quem quer curtir um sonzinho ao vivo a noite; Jacarandá que é considerado o melhor restaurante de la; Toca do Siri, com seu astral nas alturas e um banheiro imperdível.

 

Lençóis Maranhenses:  Teoricamente a época das lagoas cheias é a melhor para ir e ela vai e junho à novembro. Não é um lugar fácil de chegar mas vale toda a ansiedade.

Para chegar, deve-se voar para São Luis, e de la você escolhe a melhor opção de rota: Barreirinhas, Santo Amaro ou Atins. Barreirinhas é o maior município dos três, o mais desenvolvido, mas menos charmoso na minha opinião e o lugar que recebe mais turistas, tem mais infra de pousadas e restaurantes. Santo Amaro é o mais longe deles e Atins foi o que escolhi por ser pequenininho. Bem rústico, terra batida, mas tem seu charme. Também é possível alugar um monomotor e economizar estas 4,5hr de estrada, que foi o que fiz na volta.

Os Lençóis tem este nome por parece um lençol amarrotado visto de cima! Especula-se que sejam de 5 mil à 7 mil lagoas e é realmente sobrevoando que você tem a real dimensão do território de 1500km quadrados de área, o maior parque de dunas da América do Sul.

Para aproveitar bastante, os passeios mais legais de se fazer são: Alugar um quadriciclo, Fazer uma Cavalgada, Passeio de barco pelo Rio Preguiça, e o passeio pelas dunas. E para comer, de forma simples mas gostosa, vale a pena ir na Cabana do Peixe, e seu delicioso pastel de caranguejo, no Bar.Co e Canto dos Lençóis, onde come-se o famoso camarão grelhado da região com sua receita a sete chaves.

Mykonos: Destino dos famosos e jet setters do mundo todo, Mykonos nunca esteva tão na crista da onda do verão europeu. Para quem quer ver e ser visto, a ilha tem uma área pequena, de apenas 86km quadrados. Quilômetros estes, suficientes para abrigar as festas mais animadas do verão.

Achei o serviço em geral excelente, visto que não deve ser fácil atender com qualidade ordas de turistas ávidos por diversão e recomendo ficar o mínimo de 7 noites, menos do que isso, você vai embora chorando, com a sensação de não ter aproveitado tudo. É muito intenso. São muitos beachclubs legais, restaurantes bacanudos, um comércio incansável e muita farra!

Alugar carro é imprescindível, já que a ilha tem apenas 30 táxis e nem sinal de Uber por lá. Alugue um carro pequeno, pois a ilha tem vias muito estreitas e mão dupla e deve-se ter muita atenção ao dirigir pois os jovens brotam do nada no meio da pista.

Come-se muito bem na ilha, com muitas opções de restaurantes legais. Entre os mais badalados: Spilia, Scorpios, Principote, Kiki’s, Alemagou, Nammos.

De dicas úteis, seja pontualíssimo nas suas reservas e se prepare que o trânsito é pesado na ilha. Não deixa de comer muito iogurte grego com mel, são os melhores. E para levar na mala, muitos kaftans e saídas de praia, acessórios, chapéus descolados e óculos para ir variando e nada de salto, as ruas são de pedra e o ambiente é bem descolado.

Capri: Para o dia, nada como fazer um passeio de barco, dar a volta na ilha e mergulhar na gruta esmeralda e gruta azul. Logo após, vale a pena fazer a parada para o almoço em algum dos Beach Clubs, como o La Fontelina, que fica aos pés dos Faraglioni, famosa formação rochosa da ilha e conta com um imperdível spaguetti alla vongole; Il Riccio, que fica ao lado da Gruta Azzura

e foi inteiramente redecorado, serve excelentes peixes frescos e tem uma vista de tirar o fôlego. Vale a pena também fazer uma parada para tomar um “gelato italiano” de dar água na boca.

 

E ai, se animaram com as dicas da Flavia? Vontade de curtir um pouco de cada lugar ne...

 

Viajando na própria cidade...

05.06.2019

Com o Dia dos Namorados chegando, nada melhor do que passar o dia inteiro curtindo a pessoa amada.. 

Nossa super dica para curtir esse momento como se estivesse fora da cidade, é o clássico e super romântico Hotel Santa Teresa.

 

 

Viajando na própria cidade...

Para o dia dos namorados de 2019, o hotel separou uma programação super legal: Uma diária para duas pessoas + Café da Manhã no Restaurante Térèze + Um ritual de 90min para casal no Le Spa + jantar para 2 no Restaurante Térèze –Menu especial Dia dos Namorados (Menu especial será somente dia 12).

O Pacote Escapada Romântica pode ser reservado para o dia 12 ou os finais de semana antes e depois do dia dos namorados.

Tarifas disponíveis para o período de 12 a 13/06/2019 – A partir de R$ 2.043 com taxas inclusas. 

Para mais informações sobre este pacote,entrar em contato através do email  hotelsantateresa@accor.com 

Que tal surpreender a pessoa amada, hein?